Em decisão inédita, YPF cobrará diesel mais caro de veículos com patente estrangeira

 Em uma decisão inédita , pelo menos na história imediata, a petroleira YPF começará amanhã a cobrar um valor diferencial em diesel de caminhões e carros que possuem patentes estrangeiras.

Desta forma, a petrolífera estatal procura mitigar a falta de gasóleo que tem afligido muitas províncias do país e ameaça paralisar a produção de diferentes ramos de atividade no interior.

A partir de quinta-feira 9, a YPF só venderá para caminhões e veículos leves com patentes do Paraguai, Brasil, Bolívia, Chile, Uruguai ou qualquer outro país a variante premium do diesel e a um preço muito superior ao que os argentinos pagam.

Para eles, o preço do diesel Infinia será de 240 pesos ou o equivalente a 1,20 dólares se o valor da moeda norte-americana for de 200 pesos.

Lembre-se que pesos chilenos, guaranis paraguaios, reais brasileiros ou qualquer outra moeda são trocados a esse valor nos postos ou nas fronteiras, antes de chegar às bombas.

A diferença é muito maior do que o valor pago por caminhoneiros e motoristas com placas argentinas. O Infinia Diesel tem hoje um valor de US$ 167,2 por litro, tirando os preços da YPF-ACA da cidade de Posadas. Ou seja, neste caso, é 43% mais caro para estrangeiros.

A decisão da YPF vale para os 1.600 postos de atendimento que possui em todo o país , seja de rede própria (Opessa) ou de terceiros.

Desta forma, a YPF procura colmatar o enorme fosso que existe entre os preços dos combustíveis na Argentina e em qualquer posto de gasolina nas cidades vizinhas, onde o gasóleo ou a gasolina costumam custar entre 1 e 1,40 dólares por litro.

Por exemplo, em Encarnación (uma cidade paraguaia ligada por ponte com Posadas) a Shell tem diesel a 8.240 guaranis (1,15 dólares) e o super a 8.500 guaranis (1,20 dólares). E se você pegar o Diesel Premium, o preço chega a 10.180 guaraníes (1,42 dólar).

“Todos os postos de abastecimento da YPF vendem combustível por conta da petrolífera, que é a que administra os preços em toda a cadeia”, explicou ao LA NACION o gerente de uma cadeia de postos da YPF .

Na petroleira explicaram que a decisão de aplicar o preço diferencial ao diesel já estava sendo implementada na província de Mendoza e em grandes áreas do Litoral para veículos leves. A partir de agora, a medida será alargada a estações do resto do país, disse a petrolífera estatal.

Alguns postos chegam a aplicar esse diferencial de preço também à gasolina premium para automóveis, mas sem que uma medida oficial tenha sido aplicada.

Os veículos pesados ​​serão agora adicionados a esta medida. Os caminhões são os que mais pressionam a demanda e ajudam a provocar a escassez de combustível que está afetando a produção no interior do país.

“Esta medida procura limitar a procura invulgarmente elevada associada ao consumo fronteiriço e logístico, onde o crescimento ultrapassa os 30% em algumas partes do país”, indicaram na YPF.

“Parece-me uma decisão improvisada, difícil de implementar e que dá origem a irregularidades. Já vimos este filme com o [ex-secretário de Comércio Interno] Guillermo Moreno, a quem fizemos um apelo por proteção”, disse Faruk Jalaf, chefe da Cesane (Câmara de Postos de Atendimento e Afins Nordeste) ao LA NACION

Redação: Martin Boerr
Fonte: La Nacion